Maomé e seus Casamentos mais Chocantes

Octavio da Cunha Botelho

muhammad_khadija

Gravura reproduzindo Maomé com sua primeira esposa Khadija.

O primeiro casamento

Maomé se casou pela primeira vez aos vinte e cinco anos de idade com uma viúva rica de quarenta anos, a qual já tinha dois casamentos anteriores, portanto quinze anos mais velha que ele, chamada Khadija. Ela o colocou na administração dos seus negócios, uma vez que até então ele não possuía trabalho fixo, como um agente comercial, e pelos relatos nas biografias, ele se saiu bem. Os críticos percebem neste evento o oportunismo de Maomé em casar-se por dinheiro, é o que alguns denominam através da expressão popular de “golpe do baú”.  Seu casamento com Khadija durou vinte e cinco anos, até o falecimento de sua esposa aos sessenta e cinco anos de idade. Durante todo o seu período de casado, ele não teve nenhuma outra esposa e viveu dos negócios da empresa comercial da mulher. Pois, como observa Anwar Hekmat: “Khadija era uma mulher muito capaz e rica, e em vista do fato que ela era de um clã influente de Meca, é muito provável que ela tenha estipulado uma cláusula no seu contrato de casamento evitando que seu marido casasse com outra mulher. Antes, as mulheres islâmicas na Arábia eram mais independentes do que elas são hoje no Islã. (…) Financeiramente, Maomé era muito dependente de sua rica esposa, mas é claro que ela não teria suprido ele com meios bastantes para se casar com outra mulher” (Hekmat, 1997: 41).  Do que foi dito acima, não é difícil deduzir que Maomé, durante os anos que conviveu com Khadija, se comportou como um marido bem submisso da esposa, muito diferente da orientação no Alcorão IV: 34: “Os homens têm autoridade sobre as mulheres pelo que Deus os fez superiores a elas e que gastam de suas posses para sustentá-las…”.

Depois da morte de Khadija, “como ele (Maomé) não tinha mais que trabalhar para seu sustento, ele gastou a maioria do seu tempo batendo papo com as pessoas que ele tinha a oportunidade de encontrar nas viagens e estudar as vidas sociais e crenças religiosas de outros povos fora de Meca” (Hekmat, 1997: 40). Bem, tudo que Maomé aprendeu, teve de ser através de bate papo, uma vez que era analfabeto. A prova de que ele foi um marido submisso enquanto casado com Khadija está no fato que, assim que esta sua primeira esposa faleceu, ele viu a oportunidade de extravasar todo o seu apetite sexual, reprimido durante aqueles anos, e se casou em seguida com várias esposas, inclusive com uma criança de nove anos (Aisha) e com sua nora (Zaynab). Nas palavras de Anwar Hekmat: “Maomé pode ter reprimido suas paixões sexuais não se atrevendo a revelá-las abertamente enquanto sua poderosa esposa estava viva, mas da descrição que ele fornece do paraíso no Alcorão, pode-se seguramente admitir que a ideia de desfrutar a companhia de jovens e belas mulheres era uma qualidade inata e sempre foi um papel dele enquanto viveu.” (Hekmat, 1997: 42). Seu apetite estava tão reprimido que o segundo casamento aconteceu apenas poucos dias após a morte de Khadija.

Os casamentos mais chocantes

Sua segunda esposa foi Sauda, a ex-esposa de um dos seus seguidores que tinha se mudado para a Etiópia, estando lá, seu marido abandonou o Islã e se converteu ao Cristianismo.  Sauda então abandonou o marido e retornou para Meca. Segundo a lei islâmica, qualquer mulçumano que muda de religião e assim torna-se um apóstata é considerado um divorciado de sua esposa, e não sendo mais legalmente ligado a ela. Com seu retorno à Meca, Maomé a tomou como esposa e consumou o casamento. Isto aconteceu apenas poucos dias após a morte de Khadija. Porém, Sauda permaneceu apenas poucos meses na companhia de Maomé (Hekmat, 1997: 43).

Foram tantas esposas que as biografias divergem quanto à quantidade. Os números podem variar de quatorze até vinte e um, mas a maioria dos biógrafos concorda em quatorze (Hekmat, 1997: 33-4). A dificuldade em estimar com precisão reside no fato que, além de esposas, ele desposou concubinas, escravas e prisioneiras de guerra. Portanto, seu harém se tornou numeroso e diversificado após a morte de sua primeira esposa. Ademais, ele se casou com algumas viúvas de seus companheiros mortos nos campos de batalha, e a justificativa para tal ato, pelos apologistas do Islamismo, é que ele desposou estas viúvas para lhes dar proteção (Robinson, 2003: 92). Bem, agora seria interessante saber por que é necessário se casar com alguém para lhe dar proteção.

A-aisha

Maomé na cama com sua esposa Aisha, de apenas 9 anos, ele tinha idade para ser seu avô.

Não cabe aqui tratar de todos os numerosos casamentos de Maomé, portanto, dos tantos matrimônios, dois foram os mais chocantes. O primeiro foi com uma criança de nove anos, chamada Aisha, sua terceira esposa. Uma prática de pedofilia por alguém que se proclamava mensageiro de deus. Ela era filha de um grande amigo de Maomé, Abu Bakr, um dos seus primeiros seguidores e que depois se tornaria o primeiro Califa (sucessor) no Islamismo. O contrato de casamento foi feito quando Aisha ainda tinha seis anos de idade. Nas assustadoras palavras de Anwar Hekmat: “O apóstolo de Alá, na sua paixão de possuí-la, estava com tanta pressa que não esperou sequer pela chegada da noite, ele pediu à mãe da noiva para enviá-la para sua cama nas primeiras horas da manhã logo após a cerimônia de casamento” (Hekmat: 1997: 43). Quando esta união aconteceu, Maomé tinha mais de cinquenta anos de idade, portanto idade suficiente para ser avô de Aisha e, também, era mais velho que o pai dela, Abu Bakr. O relato seguinte é tão absurdo que chega ser cômico: “A garota era tão criança que, de acordo com os biógrafos islâmicos, ela levava seus brinquedos para a cama do Profeta. A pequena garota tinha permissão de manter seus brinquedos e suas bonecas, e algumas vezes o Profeta brincava de jogos com ela” (Hekmat, 1997: 45).

Entretanto, a verdadeira idade da esposa Aisha, quando desposou Maomé, é assunto de debate entre os intérpretes e os biógrafos desde o início da propagação do Islã. Os que se utilizam dos dados acima são aqueles que os fazem extraindo das informações dos hadiths (Ditos de Maomé), sobretudo da conhecida coleção de hadiths denominada Sahih Bukhari: “… que o Profeta se casou com ela (Aisha) quando ela tinha seis anos de idade e ele (Maomé) consumou seu casamento quando ela tinha nove anos de idade, e então ela permaneceu com ele por nove anos (até a sua morte)” (7.62.64, ver também: 5.58.234 e 236; 7.62.88 e 8.78.151). A menção sobre Aisha brincando de bonecas é extraída do hadith Sahih Bukhari 8.78.151; “Aisha narrou: Eu costumava brincar com as bonecas na presença do Profeta e minhas amigas também costumavam brincar comigo. Quando o Apóstolo de Alá costumava entrar (no meu quarto), elas costumavam se esconder, mas o Profeta as chamava para se juntar e brincar com elas” (Sahih Bukhari, 8.78.151). Esta é a interpretação da corrente sunita. Enquanto outros autores calculam que a idade de Aisha, com base em informações mais detalhadas, disponíveis sobre sua irmã Asma, estimam que ela tinha mais de treze anos ou talvez entre dezessete ou dezenove anos de idade no momento da consumação do casamento.  Asma Barlas esclarece: “Por outro lado, contudo, os muçulmanos que calculam a idade de Aisha com base nos detalhes da idade da sua irmã Asma, sobre quem temos mais conhecimento, bem como sobre os detalhes da hégira (a imigração do Profeta de Meca para Medina), sustentam que ela tinha mais de treze anos e talvez entre dezessete ou dezenove anos de idade quando ela se casou. Tais opiniões coincidem com aquelas dos hadiths que alegam que, no seu casamento, Aisha tinha ‘bom conhecimento da poesia árabe antiga e de genealogia’ e ‘forneceu as regras fundamentais da ética islâmica árabe’” (Barlas, 2002: 126).

O próximo casamento chocante foi com sua nora (Zaynab), ou seja, a filha de seu filho adotivo, Zayd. Um caso incestuoso que teve origem num ato de explosão passional de Maomé. Veja a narração deste episódio por Hekmat: “Um dia Maomé foi inesperadamente até a casa de seu filho adotivo. Zayd não estava em casa, mas a nora recebeu seu sogro mesmo que ela não estivesse completamente vestida. Sendo sua nora, ela provavelmente não se importou de se vestir ou de se cobrir completamente. Maomé não deixou de notar as belezas ocultas de sua nora, e após murmurar algumas palavras incoerentes, ele exclamou: Louvor a Alá, o mais elevado; louvor a Alá, que muda o coração dos homens” (Hekmat, 1997: 56). Daí nasceu a paixão de Maomé por sua nora Zaynab, uma paixão que ele entendeu como motivada por deus. Esta união incestuosa é relatada também no Alcorão (33: 37) com a aprovação de Alá: “… E quando Zayd satisfez seu desejo de sua mulher, nós ta demos em casamento para que os crentes soubessem que não é um crime para eles casarem-se com as mulheres de seus filhos adotivos, uma vez que estes tenham satisfeito seu desejo delas. O mandamento de Deus é sempre cumprido” (Palmer, 1994: 144; Ali, 2002: 1118 e Challita, 2002: 226). E tudo que foi relatado acima é legitimado pelo Alcorão: “Ó Profeta, tornamos legais para ti as tuas esposas que dotastes e as escravas que Deus te outorgou, e as filhas de seus tios paternos e maternos, e de tuas tias paternas e maternas que emigraram contigo e qualquer outra mulher crente que se oferecer ao Profeta e que ele quiser desposar: privilégio teu, com exclusão dos demais crentes – sabemos o que lhes impusemos com relação às suas esposas e escravas – para que ninguém possa censurar-te. Deus é compassivo e misericordioso” (33: 50 – Arberry, 1955: 126-7; Palmer, 1994: 146; Ali, 2002: 1122 e Challita, 2002: 226). De tudo que foi dito acima, para o Alcorão, deus aprova e incentiva o incesto privilegiado, a poligamia, o pagamento de dote, a pedofilia e a escravatura.

 

Obras consultadas

ALI, Abdullah Yusuf (tr.). The Holy Qur’an: Text, Translation and Commentary. New York: Tahrike Tarsile Qur’an Inc, 2002.

ARBERRY, Arthur J. (tr.) The Koran Interpreted. New York: Macmillan, 1955.

BARLAS, Asma. Believing Women in Islam: Unreading Patriarchal Interprettions in the Qur’an. Austin: University of Texas Press, 2002.

CHALLITA, Mansour (tr.). O Alcorão. Rio de Janeiro: ACIGI, 2002.

HEKMAT, Anwar. Women and the Koran: The Status of Women in Islam. Amherst: Prometheus Books, 1997.

PALMER, E. H. (tr.) The Qur’an (Sacred Books of the East, vol. 09). Delhi: Motilal Banarsidass, 1994.

WARRAQ, Ibn. Why I am not a Muslim. Amherst: Prometheus Books, 1995.

_____________ (ed.). The Origins of the Koran: Classic Essays on Islam’s Holy Book. Amherst Prometheus Books, 1998.

_____________ (ed.). The Quest for the Historical Muhammad. Amherst: Prometheus Books, 2000.

Anúncios

4 comentários sobre “Maomé e seus Casamentos mais Chocantes

  1. O que eu acho a respeito disso, é que eles negam que jesus era filho de Deus, e o propio alcorão deles manda eles mesmos crerem em jesus, eles deveriam crer em jesus que foi o maior profeta, imaculado, e santo de Deus e não em maomé, que foi um homem que se envolveu nisso tudo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s